SAUDADE

Milton Pennacchi, o jovem empreendedor

Conheça a história de Milton Pennacchi

Lais Ernesto

20/09/2020

Natural de Ouro Fino, Minas Gerais, Milton Pennacchi nasceu em 9 de maio de 1932. Filho de Ângelo Pennacchi e Maria Joana Guidi Pennacchi, passou sua infância na região. Um jovem promissor, que com 14 anos já trabalhava na sorveteria do tio, onde produzia e criava sabores de sorvetes.


“Seo Milton” como todos o chamam, atuou também no Banco Nacional de Minas Gerais, uma instituição financeira brasileira fundada por Waldomiro de Magalhães Pinto e pelo ex-governador de Minas Gerais José de Magalhães Pinto. 


O jovem trabalhou, ainda, na Escola de Engenharia de Lins.


Casamento

Marlene de Toledo e Milton Pennacchi se conheceram quando ela tinha 14 anos e ele 16. Os encontros com “a menina mais bonita do sul de Minas”, segundo ele, aconteciam na Rua 13 e na sorveteria, em Ouro Fino. E foi assim por 7 anos, até que eles se casaram, na mesma cidade. O casal passou a morar em Bauru, na fazenda da família Toledo, cidade onde também residia a família de Marlene.


Marlene de Toledo Pennacchi vem de uma família de nove irmãos, filhos de Maria do Carmo Leite e Antônio Eufrásio de Toledo, o Doutor Toledo. “Seo Milton” sempre acreditou que ela tem as características do pai: o amor pela educação e o tino de empresária.


Início de um sonho

Conhecidos do Doutor Toledo o procuraram, por saber que ele era um grande educador, e apontaram a necessidade em construir uma instituição de ensino superior em Presidente Prudente. Foi então que ele visitou a cidade para conhecê-la.


Amauri Toledo, irmão de dona de Marlene, era responsável pela Escola de Engenharia de Lins e convidou Milton Pennacchi, em 1959, para trabalhar na instituição. Em um dia de conversa entre cunhados, Amauri disse: meu pai acha que vai mudar sua vida. Foi então que Doutor Toledo fez a proposta para que o jovem Milton estivesse à frente da Instituição Toledo de Ensino de Presidente Prudente, que já estava em obras.


O convite veio, pois, Doutor Toledo o observava e sabia da responsabilidade e capacidade do jovem nos negócios.


Presidente Prudente

Milton Pennacchi e Marlene de Toledo Pennacchi chegaram em Presidente Prudente, com quatro filhos: Andreia, Angela, Antonio e Maria do Carmo. Na época, o município tinha cerca de 70 mil habitantes e estava em expansão. A família passou na morar na Vila Maristela. Ao longo dos anos, chegaram mais dois filhos: Maria Inês e Zelly Fernanda.


O Parque Furquim, onde foi instalada a instituição de ensino, tratava-se de um bairro calmo, tranquilo e com poucas casas. Marlene estava à frente como secretária geral. Já Milton, faz questão de ressaltar que, fazia “de tudo um pouco”, desde receber um aluno na secretaria, até realizar as contratações e buscar entender as solicitações do MEC – Ministério da Educação.


O primeiro curso, Direito, iniciou em 13 de maio de 1961. Na época, era uma sala em um prédio do Estado na Vila Liberdade. Depois, em 1962, com quatro salas e 121 alunos, transferiram-se para onde é a Toledo Prudente atualmente, pois as obras tinham sido concluídas.


“Seo Milton” sempre fez questão de expor todo o carinho e agradecimento a Presidente Prudente. Ele conta que abraçou o sonho de seu sogro em, por meio da educação, construir grandes e competentes profissionais. O que o motivou ao longo de toda a sua administração da Toledo Prudente.


O empreendedor deixou um legado, pois assim como sempre falou “ninguém faz nada sozinho”.